Lelis sai na frente e lança novo site

Segundo o Ibope NetRatings já somos 79,9 milhões de internautas no Brasil e, de acordo com uma pesquisa da Fecomércio-RJ/Ipsos, o percentual de brasileiros conectados à internet aumentou de 27% para 48%, entre 2007 e 2011. Algo nada desprezível no mundo coorporativo, do negócios, mas também que não pode ser mais esquecido em qualquer plano de marketing político eleitoral, principalmente quando se fala em pleitos para os centros urbanos.

Nos últimos anos, particularmente nesta última década, o exercício do uso da internet em rede foi incorporado ao nosso cotidiano. Produtos como Orkut, Facebook, Twitter, 

Flick, Google+ e Youtube tornaram-se uma realidade. E não somente para o público jovem, os primeiros a se encantarem com esses mecanismos de comunicação da vida moderna, mas algo que acabou se disseminando em todas as camadas e faixas etárias da população. Claro que ainda há aqueles que falam da frieza dos teclados e continuam reticentes e avessos a essas novidades, mas mesmo estes, são incapazes de negar a popularidade das redes sociais.

Com um crescimento assim, claro que a Internet e, particularmente as redes sociais, passaram a ser vistas por candidatos antenados e principalmente por marqueteiros políticos como mais um instrumento de propagação de ideias, de atração de simpatizantes e de conquista de votos. Percebeu-se claramente que a Internet oferece a possibilidade de se tornar um espaço midiático mais amplo e democrático para a participação política, ajudando a propagar conceitos e “formar opiniões”. Mais do que reconhecê-la como uma nova tecnologia, trata-se de percebê-la como um meio de comunicação, de interação e de organização social, que se ainda não tem o poder de massificação da TV ou do rádio (há controvérsias quanto a isto), mas que, pelo menos não pode mais ser ignorada.

Por isso tudo, aplaudo a iniciativa do deputado estadual Marcelo Lelis, do PV, que ontem lançou o novo layout de seu site num encontro onde reuniu jornalistas, dirigentes e pré-candidatos a vereador do seu partido, além de técnicos do setor de tecnologia e publicidade. Um evento menor, sem muita importância, se não enxergarmos que muito mais do que o layout clean e moderno da nova plataforma, o deputado criou um mecanismo de interatividade com o eleitorado tocantinense, com foco na notícia, mas principalmente nas redes sociais como canal de aproximação com a população. Saiu na frente, e com maestria, com funcionalidade e ousadia.

“Integrar, desburocratizar e simplificar. Essa é a nossa meta e nada mais simples do que utilizar a internet para ouvir o cidadão, para ouvir a opinião de quem realmente sabe o que é necessário para a nossa população. O que queremos é ouvir as demandas de cada segmento e interagir com o cidadão, entender suas necessidades”, enfatizou o deputado que apesar de em nenhum momento ter falado ontem da sua condição de pré-candidato à Prefeitura de Palmas, não deixou de vender uma imagem positiva como tal. Até porque destacou também o projeto do Partido Verde “Palmas é você quem faz”, que tem coletado sugestões para uma futura administração da capital.

Nadando sozinho numa raia de águas tranquilas, sem adversários dentro do seu grupo político, o deputado Marcelo Lelis vai apresentando soluções criativas enquanto, de longe, assiste seus possíveis adversários ainda quebrarem a cabeça na discussão sobre “o nome” da base do atual prefeito que vem para a disputa. Ou, “os nomes”, se um acordo não for selado. Assim, enquanto Lelis corre para a periferia, protegido na redoma do partido que ele tem em mãos, o PV, e busca a participação popular na elaboração de propostas na base do corpo-a-corpo com o eleitorado; enquanto Lelis cria mecanismos de intercâmbio modernos como seu novo site e amplia sua presença nas redes sociais; enquanto Lelis costura os apoios dos partidos que mês a mês vem engrossando sua base de apoio, que deve culminar com o gigantismo do PSDB do governador Siqueira Campos declarando lá em junho a adesão oficial; os seus pretensos adversários não se entendem. Ontem mesmo realizaram reunião a portas fechadas. Lá estiveram o presidente da Câmara Municipal, Ivory de Lira (PT), o deputado estadual Eli Borges (PMDB), a deputada estadual Luana Ribeiro (PR), o deptuado estadual Sargento Aragão (PPS) e o deputado estadual Wanderlei Barbosa (PSB), recepcionados pela vice-prefeita Edna Agnolin (PDT) a quem coube a iniciativa de chamar a reunião. Um evento sem acesso da imprensa, o que é aceitável para o debate que pretendiam fazer, mas sem a provocação de mecanismos de divulgação dos resultados no pós-encontro, algo inconcebível para este momento pré-eleitoral.

O grupo situacionista da Prefeitura de Palmas, que tem no atual prefeito Raul Filho, a figura catalizadora, precisa acordar. Ontem, fiquei com uma impressão danada que muito além da nova página do deputado Marcelo Lelis o cenário que se apresentava à minha frente era de um lado a velocidade de uma conexão de banda larga com plena qualificação do sinal e, de outro, a morosidade das antigas conexões discadas.

Eu sou Melck Aquino, e essa é a minha opinião.